quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Procurando/Looking for...



Amig@s, estou precisando desse álbum! Só está faltando ele para eu completar essa coleção da Simax. Se alguém tiver e puder disponibilizar o download, sou muito grato.

Abraços!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

DIE MEISTERSINGER VON NÜRNBERG [K. Böhm]



DIE MEISTERSINGER VON NÜRNBERG
(Richard Wagner)

Hans Sachs...........................................................................Theo Adam
Veit Pogner..................................................................Karl Ridderbusch
Sixtus Beckmesser.......................................................Thomas Hemsley
Fritz Kothner...................................................................Gerd Nienstedt
Walther von Stolzing..................................................Waldemar Kmentt
David..................................................................................Hermin Esser
Eva...................................................................................Gwyneth Jones
Magdalena............................................................................Janis Martin
Nachtwächter............................................................................Kurt Moll
Kunz Vogelgesang..................................................Sebastian Feiersinger
Konrad Nachtigall............................................................Dieter Slembek
Ulrich Eisslinger.....................................................................Erich Klaus
Balthasar Zorn................................................................Günther Treptow
Augustin Moser...................................................................William Johns
Hermann Ortel...................................................................Heinz Feldhoff
Hans Schwarz...........................................................................Fritz Linke
Hans Foltz.............................................................................Hans Franzen

Karl Böhm
Bayreuth Festival
Live recording, 1968

CD1  CD2  CD3  CD4  [FLAC]

MÖRIKE LIEDER



Saudações, meus caros!
Na última segunda-feira, 13/03, foi o aniversário do Hugo Wolf. Um dos compositores que mais gosto e que, infelizmente, teve umas das vidas mais desafortunadas. Não fosse o trabalho de divulgação de amigos como Gustav Mahler, e posteriormente de músicos preocupados em manter seu legado vivo, a obra de Wolf encontraria-se ainda obscurecida. 
Para hoje resolvi trazer as canções do ciclo Mörike-Lieder que tanto cativam os fãs. Ao todo são 53 canções baseadas em textos escolhidos do poeta alemão Eduard Mörike. Seus poemas escritos em linguagem simples e natural tratavam de uma gama de assuntos caros ao romantismo e que foram um prato cheio para um compositor tão temperamental quanto Wolf.
Ao ter contato com esses poemas, Wolf encontrava-se em uma crise artística que o impedia de compor uma melodia sequer. Coincidindo com esse período de crise, seu pai veio a falecer agravando mais ainda o estado desanimador em que se encontrava.  Os poemas do Mörike serviram, portanto, como consolo e mola propulsora para superar os problemas. O resultado de tanta energia e carga emocional envolvida foi um sucesso e consiste em um dos ciclos mais amados pelos fãs. Daqui vieram muitas de seus mais célebres lieder, que muito contribuíram para equipará-lo a compositores como Schuber, Schumann e Brahms. 
Com esse ciclo, percebemos a forte teatralidade de suas composições: a música encontra suas ideias e motivos oriundos do próprio texto que, se em um primeiro momento parece submisso ao conteúdo da palavra, seu desenvolvimento tende a sublimar tal dependência e até inverter o quadro promovendo uma inflexão no texto para garantir o fluxo contínuo da música.
Este registro que lhes trago é estralado por uma excelente dupla de intérpretes, a soprano inglesa Joan Rodgers e o barítono alemão Stephan Genz, cujos lirismo e solvência das vozes adéquam-se com precisão as linhas vocais. Destaque também para Roger Vignoles, o pianista da empreitada. 
Boa audição!

CD's [FLAC]

FOUR FAMOUS GERMAN SOPRANOS



Cari amici, bom dia!

Interrompi uma série de posts nos últimos cinco meses em virtude do trabalho, pois comecei a lecionar e o tempo ficou bastante curto para o blog. Para movimentar um pouco o espaço, resolvi trazer pra vocês este álbum dedicado a quatro grandes cantoras que brilharam no período entre-guerras. Os registros foram feito na época dourada de cada uma das vozes, na qual essas senhoras figuravam como estrelas do MET ou em Bayreuth. Menção especial para a Elisabeth Rethberg e a Margarete Teschmacher que estrearam a Helene e Daphne straussianas, respectivamente, e para a lendária Tiana Lemnitz que teve um repertório operístico bastante variado, além de ser uma renomada intérprete liederística. Nesse álbum, podemos apreciar a voz lustrosa e brilhante da Rethberg com sua famosa Aida; a beleza e frescor vocal da Maria Müller nas virginais Elsa e Elisabeth, e o canto sonoro e dramático da Teschemacher em Reiza.
Espero que aproveitem e aos poucos vou retomando as postagens. Abraços!

CD [FLAC]

domingo, 1 de janeiro de 2017

2017, e agora?

Saudações, leitores!

2016 se vai sem deixar muitas saudades e o que fica pra mim é a expectativa de fazer diferente em 2017. Talvez mudar completa e desmedidamente, sem moderação, remorso e melancolia seja bom e valha a pena. É o que pretendo, o que tenho o que vou tornar real, no minimo tentar.  Cabe a cada um, diante de suas reflexões e pretensões, apostar decididamente e lutar. Desejo a todos muita saúde e sabedoria e ousadia. Em breve as atividades do blog serão retomadas. 

Abraços!

sábado, 19 de novembro de 2016

PAUSA

Cari amici

Sei que iniciamos uma jornada com a publicação e escuta de alguns álbuns da extensa discografia da Birgit Nilsson. Talvez vocês estejam ansiosos pelo próximo post ou curiosos, no mínimo. Mas hoje, infelizmente, o que venho anunciar é um pequeno hiato que estarei fazendo. Preciso de tempo e de uma nova reorganização de planos. Assim, voltarei no próximo ano para dar continuidade aos posts da Nilsson e trazer outras novidades. 

Abraços!

domingo, 6 de novembro de 2016

SALOME [G. SOLTI]


SALOME
(Richard Strauss)

Cari amici, depois do desenlace comovente da história de amor impossível entre Tristão e Isolda, continuaremos as postagens dedicas à Birgit Nilsson com outra história de "amor" igualmente impossível. Hoje lhes trago um dos mais empolgantes registros discográficos de Salome de Richard Strauss.
Uma brevíssima sinopse pode ser feita assim: Salomé é filha de Herodias e enteada de Herodes, Tetrarca da Judeia. Numa noite, Salomé estranha a forma como é olhada pelo seu padrasto e decide sair pra o pátio, onde ouve as vozes de um prisioneiro, João Batista. Curiosa para conhecer o homem que fala tantas acusações, ela seduz e convence Narraboth, soldado recém promovido a chefe da guarda, a permitir que o cativo venha do calabouço que o prende à superfície. Nesse encontro, Salomé é tomada por fascínio e desejo por aquela figura. Ela confessa seu amor pelo profeta, mas este a recusa e censura, fazendo com que a paixão da princesa cresça com mais violência. João Batista, ao saber que a princesa é filha de Herodias, objeto de seu total repúdio e desprezo, ofende e "castra" as suas vontades. Com seu orgulho ferido, Salomé aceita o pedido de Herodes de dançar para ele, depois do assediador tetrarca prometer que lhe daria o que desejasse. Após a dança, a jovem brada que quer servir-se da cabeça do evangelista numa bandeja e um relutante e inconformado Herodes atende o pedido. Com a bandeja nas mãos, segue um dos monólogos mais lascivos e vingativos da literatura, onde a princesa desdenha da condição do profeta e exulta todos os seus prazeres. E é assim, que um escandalizado Herodes ordena que os soldados a matem. 
A composição da dessa ópera foi iniciada após Strauss assistir uma apresentação da peça teatral de Wilde traduzida para o alemão, na qual o texto causara-lhe tanta impressão que chegou a confessar ter ouvido na fala de Narraboth a sugestão de uma melodia. Seguiu-se em um ritmo febril o processo de composição e, dentro de um ano, Strauss já havia concluído e orquestrado a partitura. Estreada em 1905, o resultado de um trabalho tão inspirado é assaz impressionante pelas demandas orquestrais e as linhas vocais sem paralelo. Uma música que segue construindo um mosaico de dimensões arquitetônicas da corte decadente e imoral, expondo e aniquilando o curso de personagens tão obsessivas. Em conjunto com Elektra, composta alguns anos depois, Strauss prepara o público para explosão expressionista que, na segunda década do século XX, alcançaria o universo da música.
Neste registro que lhes trago, temos mais um fruto da parceria Nilsson & Solti e que tornou-se um clássico, além de ser a primeira gravação stereo da ópera. Solti se sente a vontade e pode-se perceber o quanto a sua batuta esteve excitada nas marcações de uma música tão inebriante e violenta. A cena final é uma das mais explosivas já feita
O papel da atraente e nefasta princesa da Judeia requer uma soprano de voz bastante volumosa e de uma registro agudo bastante seguro. Além disso, acompanhar as nuances psicológicas personagem é um trunfo a ser conquistado, pois a anti-heroína da trama experimenta todos os dissabores e, ao final, sabores de sua paixão não correspondida. A Salomé da Birgit Nilsson ganha vida e vontade de forma estritamente musical, baseando-se na música da personagem e nas qualidades técnicas e timbrísticas da soprano, sempre atenta a tônica das palavras e da partitura. A dimensão extramusical pode ser encontrada na figura dançante da Christel Goltz ou no enfoque mais teatral/literário dado pela Astrid Varnay, outras duas grandes interpretes do papel-título. .
O elenco que compõe os demais personagens é magnífico. O Waldemar Kmentt encontra nas melodias de Narraboth a possibilidade de explorar a forte atração sexual que seu personagem sente pela princesa em contraste com a figura apreensiva e temerosa que a Josephine Veasey faz do Pagem. Aqui, a cantora deixa como subentendido para o ouvinte a inclinação amorosa que o Pagem sente por Narraboth. O duo de monarcas decadentes se constrói nos esforços de uma exagerado Gerhard Stolze e no retrato rancoroso e cruel da Herodias da Grace Hoffman. Já o Eberhard Wächter canta com grande entusiamo os sermões e aspirações do evangelista, embora pareça desconfortável com o volume vocal que seu personagem demanda.
Então, amigos, espero que ouçam bem relaxados e de lubrificantes na mão (é brincadeiriha, hahaha). Boa audição!


Salome....................................................Birgit Nilsson
Jochanaan........................................Eberhard Wächter
Herodes................................................Gerhard Stolze
Herodias...............................................Grace Hoffman
Narraboth..........................................Waldemar Kmentt
Ein Page..........................................Josephine Veasey
Erster Nazarener........................................Tom Krause
Zweiter Nazarener....................................Nigel Douglas
Erster Soldat.....................................Zenon Kosnowski
Zweiter Soldat........................................Heinz Holecek
Ein Cappadocier..........................Theodor Kirschbichler
Ein Sklave............................................Liselotte Maikl
Erster Jude.................................................Paul Kuen
Zweiter Jude.........................................Stefan Schwer
Dritter Jude..............................................Kurt Equiluz
Vierter Jude.............................................Aron Gestner
Fünfter Jude............................................Max Proebstl

Georg Solti
Wiener Philharmoniker
Studio recording, 1961
CD [FLAC]